Análise: Ninjatown (NDS)

GAME: NINJATOWN
ANO: 2008
PRODUTORA: Southpeak Interactive
PLATAFORMA: Nintendo DS
GENERO: Estratégia em tempo real

Joguei esse joguinho um tempo atrás e não consegui parar até zera-lo! enfim, pra quem curte games de estratégia simples do tipo towerdefend esse jogo é quase obrigatório pro seu NDS.

Leia mais deste post

Análise: The Lion King (SNES/Mega)

Plataforma: Super Nintendo / Mega Drive
Gênero: Plataforma 2D
Ano: 1994
Produtora: Disney Software + Virgin
Jogadores: 1
Save/Password: Não

Era uma vez, na África…

Leia mais deste post

Análise: Smash TV

GAME: SMASH TV
PLATAFORMA: Super Nintendinho/Arcade
ANO: 1990
PRODUTORA:  WILLIANS
PLAYER: 1 ou 2 players
GENERO: RUN GUN/ atirar e correr

Esse jogo já salvou muitos finais de semana meus!

A historia é meia sem lógica… um reality show onde você tem que sobreviver pra ganhar uns trocados… Tipo um BBB mas com armas de fogo! A historia realmente não importa aqui!

 

O jogo consiste em basicamente atirar em tudo que aparecer na tela até que não sobre nada, em seguida você vai pra outra sala (muitas das vezes rola uma opção de escolha) até chegar ao destino onde enfrentara uns chefes bem toscões!

O controle é bem diferente, mas funcional. Parte do analógico você contra o personagem, os botões Y atira pra esquerda, B para baixo, X cima e A direita, combinando dois botões você atira na diagonal. A principio parece bizarro, mas funciona muito bem!

Repare que esse é um jogo que tem tudo, TUDO, pra ser um fiasco… Mas não é! Ele é muito divertido, principalmente se jogado 2 players! nunca joguei a versão de arcade, mas Smash tv foi um jogo e continuara (apesar desse gráfico bizarrezimo) um dos meus multyplayers favoritos! E tenho dito!

 

CURIOSIDADES:

O jogo tbm já foi pra plataforma de tudo que é tipo

só isso….

EPIC REVIEW: SHADOW OF COLOSSUS (PS2)

Bom, nada melhor do que a minha primeira resenha como dono de um PS2 próprio (sim, comprei o meu, finalmente, após 5 anos alimentando essa vontade, peguei uma promoção bacana… é uma felicidade anacrônica, mas genuína) do que homenagear um dos melhores jogos do PlayStation 2, e porque não, DE TODOS OS TEMPOS…

O que você faria pela pessoa amada?

Este jogo apresenta os gráficos mais bonitos do console (quase unanimidade dentre as pesquisas gamísticas), junto com uma soundtrack ÉPICA, à altura do status do jogo. Os criadores de ICO, um dos games mais cult do universo PS, bolaram uma trama sensacional e original, com personagens de uma mitologia própria e cunharam uma verdadeira OBRA-PRIMA da atualidade.

Além de visualmente atraente, a atmosfera etérea e mitológica do jogo ganha ares de filme nesta obra de arte do TEAM ICO.

Antes de tudo, Shadow of Colossus é um FILME. Sim. O protagonista, chamado Wander, viaja com seu cavalo Agro até uma terra amaldiçoada em busca de uma entidade que supostamente pode trazer sua amada Mono de volta à vida, a qual foi sacrificada por causa de uma maldição. A cena de abertura do jogo mostra justamente o momento em que ele chega nesta terra proibida e adentra um santuário, onde fica um altar e, pelo caminho, ele vislumbra 16 estátuas de pedra gigantes…

O altar do Santuário... você voltará aqui muitas vezes durante o jogo.

Neste santuário, Wander encontra-se com uma entidade denominada Dormin, e pergunta a ela se há alguma maneira de trazer a alma da donzela de volta. A entidade reconhece a espada que Wander traz consigo e diz que há uma maneira de ressucitar a jovem… isso se ele conseguir destruir as 16 estátuas que selam o poder de Dormin. Wander aceita a incumbência, mesmo com Dormin avisando que o preço a se pagar por isso será muito alto. A tarefa é hercúlea: derrotar os 16 colossos espalhados nesta terra, que são encarnações das estátuas. E aí está o motor principal do jogo. NÃO HÁ INIMIGOS, APENAS BOSS BATTLES. Premissa genial, pra se dizer o mínimo.

Usando a Espada Sagrada para localizar os colossos... apenas em áreas iluminadas pelo sol, os raios convergem na lâmina da espada e dão a direção para você encontrar os colossos.

Armado de um arco e flecha, a Espada Sagrada e muita determinação, o jogador assume o papel de Wander e sai em busca dos tais seres gigantescos para cumprir sua tarefa e trazer sua amada de volta. Com seu fiel cavalo Agro para levá-lo a distâncias longínquas na terra proibida, cabe a você encontrar os colossos e destruí-los. Mas ele mal sabe o que se esconde por trás destas ações…

Seu único amigo durante a jornada... Argo enfrenta grandes distâncias e ajuda muito nas batalhas.

A graça do jogo está justamente na exploração da terra em busca dos enormes seres, passando pelos mais diferentes terrenos. Você pode até se perder durante o processo de procurar por eles, mas um mapa da região ajuda (se bem que não é muito detalhado…). No mapa ficam marcados os colossos que você derrota e os altares onde você pode salvar o jogo e recuperar energia.

O mapa é propositalmente rústico e não indica exatamente a localização dos colossos, o que aumenta o desafio de encontrar os exatos campos de batalha. Os colossos só aparecem no mapa após destruí-los.

Quanto à energia, você pode aumentá-la comendo frutas de árvores, que você derruba com o arco e flecha, assim como comer rabos brilhantes de lagartos que ficam nos save points para aumentar seu grip (força para agarrar-se a estruturas, fator CRUCIAL nos combates colossais). Um detalhe é que eu só fui descobrir isso tudo DEPOIS de ter derrotado todos os 16 colossos!! AUEHAUEHAUEHAUEH Valeu pelo aviso tardio, Max. Eu sou hardcore mesmo \,,/

Colossos são criaturas que na maioria das vezes intimidam e não demonstram seus pontos fracos facilmente.

Quando do primeiro encontro com um colosso, o jogador é presentado com cutscenes dos locais corretos onde se travam as batalhas e com as visualizações das gigantescas criaturas que terá que derrotar. Na grande maioria das vezes, você deve usar o ambiente ao seu redor para conseguir algum tipo de vantagem sobre o colosso e assim, chegar em seu ponto fraco, carregar a espada no limite e assim fazer o sangue negro jorrar.

As lutas ÉPICAS do jogo deixam o jogador pensar em como derrotar os gigantes.

Normalmente, os colossos têm pontos fracos, que são marcados com símbolos azuis que brilham sob os pêlos do gigante quando Wander empunha a espada. Você pode usar a espada contra o sol pra ajudar a localizar tais pontos, haja visto que muitos deles estão em locais inicialmente não perceptíveis para o jogador, principalmente nos 6 últimos colossos.

Use a espada para tentar ver onde estão os pontos fracos.

 Durante as batalhas, você pode se agachar com R1 em alguns pontos mais estáveis do gigante para recuperar HP e sua barra de força… agarrar-se aos pêlos e não cair quando o colosso se mexe é parte de cada luta e emociona quando conseguimos chegar ao cúmulo de dar a última estocada em cada um deles. Alguns colossos, como os maiores e mais lentos não lhe atacam diretamente. Você deve atirar flechas ou assobiar para chamar sua atenção para então fazê-los vir em sua direção.

As apresentações dos colossos impressionam tanto na movimentação, quanto na riqueza dos detalhes dos gigantes.

Colosso após colosso, você percebe que a energia negra de cada um deles penetra em Wander, fazendo-o perder a consciência e ser misteriosamente transportado de volta ao santuário inicial para receber orientações de Dormin sobre o próximo inimigo… e vê-se que o próprio Wander começa a ficar mais e mais escuro, mais sombrio a cada colosso derrotado. Isso é um fato interessante porque te faz pensar: “Os colossos viviam quietos numa terra isolada onde uma entidade antiga teve sua alma selada e dividida em cada um deles. O que será que acontece quando eu matar todos?” Isso também me motivou muito a jogar o jogo até o fim.

Conseguir escalar o gigante e achar seu ponto fraco é um desafio constante, mas não repetitivo. As lutas são muito diferentes entre si.

 Depois de muito explorar, matar colossos, comer frutas e rabos de lagartos, você se acostuma com o fato de que, invariavelmente, algo muito ruim vai acontecer… É impressionante a atmosfera sombria que certas lutas com os colossos proporciona. Você fica desesperado à medida em que percebe que os colossos ficam cada vez mais e mais agressivos e espertos.

Atire nele para que ele venha voando até você, tentando te derrubar na água.

A luta com o primeiro colosso voador promete MUITA emoção. Pule nas pelagens das asas para alçar vôo em meio à chuva e sobre um lago enorme. Difícil não notar a música que embala essa batalha. Também dignas de nota são as batalhas contra os colossos pequenos, em forma de cães (ou o que quer que sejam). São rápidos e extremamente agressivos. Você deve descobrir maneiras de quebrar suas armaduras e então revelar os locais dos pontos fracos.

Esse danado me levou HORAS pra descobrir como derrotar...

Enfim… só jogando esse clássico até o fim para experimentar uma das melhores jornadas que o PlayStation 2 pode proporcionar. Eu mesmo não me recordo de ter tido tanta satisfação em derrotar cada um dos colossos e de presenciar o FINAL ÉPICO do jogo, em meio a uma soundtrack majestosa. Coloco aqui o torrent para download desta OST magnífica, composta por Kow Otani, em mp3 @ 320kbps: http://thepiratebay.org/torrent/4365121

Wander gritando pro colosso: "SILENCE. I KILL YOU!"

Comentem sobre esta obra de arte, que será relançada em High Definition junto com seu predecessor (será mesmo?) ICO para o PS3 muito em breve. Até a próxima!

Análise: Futebol Mundial 98 (PC)

Game: Futebol Mundial 98
Plataforma: PC
Gênero: Futebol
Ano: 1998, porra!
Produtora: Estadão Ubisoft

GAMES DO ESTADÃO? WTF?!

Pois é, em meados de 1998 o Estadão lançou uma coleção chamada Games do Estadão. Aproveitando que era ano de Copa do Mundo, lançaram este que nada mais era do que o conhecidíssimo Puma World Football da Ubisoft. Leia mais deste post

POR FORA DO CONSOLE: Prince of persia (o filme)

Como todos sabem (ou não) o FTWGAMES é um blog de análises imparcial e pensando nisso resolvi dar um passo (não maior que as pernas espero) e criar um novo tópico para abordar não games, mas seus “derivados”  ou seja, filmes, quadrinhos, romances, brinquedos e todas as bugigangas que são inspiradas pelos games.

Então nada melhor que começar a sessão POR FORA DO CONSOLE falando de um filme que teve sua estréia ontem e eu asssiste hoje:

Título: Príncipe da Pérsia As Areias do Tempo (Prince of Persia: The Sands of Times)
Direção: Mike Newell
Gênero: Aventura
Duração: 116 min
Distribuidora: Disney Pictures


Antes de começar a falar sobre o filme gostaria de salientar que não joguei nenhum dos jogos para Playstation II. Apesar de ser um grande fã do game no snes/nes. Então como eu vou falar de uma adptação de um filme baseado em um game que eu não joguei? Simples, não vou falar da adaptação até porque isso seria idiotice, então vou falar do filme por si só (Sem revelar spooiler, fiquem tranquilos)

Leia mais deste post

Games OLDbscuros: North & South (nes)

GAME:  North & South
PLATAFORMA: Nintendinho (nes)
ANO: 1989
PRODUTORA: KENKO
PLAYER: 1 ou 2 players
SAVE:  Sei lá….

North & South é um game baseado na guerra civíl americana que mistura estratégia, war, cartoons, humor leve

Leia mais deste post